Presidente e Secretário-Executivo do CBH-TB Comemoram Avanços e Apoiam Desafios para Gestão das Águas

As áreas dos quatro Comitês de Bacia Hidrográfica da Região Central do Estado de São Paulo. Imagem elaborada por: André Grieco a partir da fonte: www.sigrh.sp.gov.br

O prefeito de Lins, Edgard de Souza e o Diretor Regional do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAED) de Biriui, Lupercio Ziroldo Antonio, respectivamente, Presidente e Secretário Executivo do Comitê de Bacia Hidrográfica Tietê-Baalha  demonstraram muita sensibilidade e conhecimento à temática da gestão das águas. quando procurados pelo Ambiente Central.

A área de abrangência do CBH-TB compreende os seguintes municípios: Adolfo, Agudos, Avaí, Bady Bassit, Balbinos, Bauru, Borborema, Cafelândia, Dobrada, Elisiário, Guaiçara, Guarantã, Ibirá, Irapuã, Itajobi, Itápolis, Jaci, Lins, Marapoama, Matão, Mendonça, Nova Aliança, Novo Horizonte, Pirajuí, Piratininga, Pongaí, Potirendaba, Presidente Alves, Promissão, Reginópolis, Sabino, Sales, Santa Ernestina, Taquaritinga, Uru, Urupês

 

Comitê de Bacia Hidrográfica Tietê-Batalha Reconduz Prefeito de Lins, Edgard de Souza à Presidência.

Veja abaixo seu recado para o Dia Mundial da Água ao  AC.

 

Ambiente Central – Por que decidiu aceitar o cargo de Presidente do Comitê de Bacia Hidrográfica Tietê Batalha?

Edgard de Souza Na verdade acabo de ser reconduzido ao cargo. Aceitei na primeira e agora novamente pq entendo que a questão da água é um grande desafio. Temos que entender a preservação da água dentro de uma nova perspectiva civilizatória. Quero por a estrutura do meu governo a serviço dessa luta.

Ambiente Central – Quais os principais desafios para  que o Comitê de Bacia Hidrográfica, presidido por V.Sª, deve enfrentar para garantir o adequado uso da água – nos seus múltiplos usos – para todos os municípios desse Comitê?

Edgard de Souza –  Estamos avançando na questão da cobrança do uso, mas ainda temos que ter mais ações enquanto comitê e não apenas como municípios isolados. Penso que a ação em rede ainda é nosso maior desafio. Somos carregados pelas tarefas de nosso dia a dia em nossas cidades e esquecemos às vezes que a ação conjunta trás melhores e mais eficientes resultados;

Ambiente Central – Neste Dia Mundial da Água deixe uma breve mensagem para todos os usuários da água do da bacia hidrográfica.

Edgard de Souza –  A mensagem que deixo é a de que não podemos perder de vista que a água é nosso bem mais precioso e que é um bem finito. Devemos diariamente construir um modelo de vida sustentável, um novo padrão de civilização, que permita vivermos bem enquanto comunidade humana usufruindo esse fundamental bem que é a água. Nosso modelo atual de vida nos leva para sérios problemas , em especial para os mais pobres. Temos que nos inspirar no grande números de boas ações e conquistas para avançar ainda mais na construção e um modelo de vida equilibrado que seja economicamente desenvolvido e ecologicamente sustentável.

 

Secretário Executivo do Comitê de Bacia Hidrográfica Tietê Batalha, Lupercio Ziroldo Antonio, é também um dos quatro representantes brasileiros no Conselho Mundial da Água.

Veja abaixo seu recado para o Dia Mundial da Água ao AC.

 

Ambiente Central – Os Comitês de Bacia Hidrográfica no Estado de São Paulo, depois de cerca de 20 anos de espera, finalmente começaram a fazer a cobrança pelo uso da água. Quem e quanto paga este uso da água nesse Comitê? Qual a estimativa de receia com esta cobrança? Os recursos arrecadados com a cobrança pelo uso da água ficam todo no próprio Comitê? Já existem informações sobre a taxa de inadimplência?

Lupércio Ziroldo Antonio – Na UGRHI 16, jurisdição da Bacia Hidrográfica do Tietê Batalha, temos cadastrados 207 usos passíveis da cobrança pelo uso da água, que geram aproximadamente R$ 2 milhões por ano para implementação de obras e serviços no território da Bacia, investimentos estes hierarquizados pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Tietê Batalha para aplicação na bacia. Entrando no segundo ano da cobrança pelo uso da água na bacia, temos que a taxa de inadimplência está caracterizada em aproximados 1,5%.

Ambiente Central – Como a população em geral pode colaborar para que tenhamos uma boa gestão das águas nos municípios que compõe o Comitê?

Lupércio Ziroldo Antonio –  Uma boa governança da água, ou seja, uma gestão eficiente dos recursos hídricos na Bacia, tem como base o território municipal e ali sua efetividade depende muito das políticas públicas adotadas pela Administração Municipal em cada cidade, políticas públicas estas que devem envolver, integrar e compartilhar com toda a população, os programas, projetos, serviços e obras que busquem melhorar o binômio quantidade/qualidade dos recursos hídricos.

Estas políticas públicas podem ser sintetizadas no seguinte tripé: a) uso racional da água, b) atendimento a todos os usos múltiplos da água e c) legislação adequada.

Objetivamente numa resposta simples a pergunta, destacamos o papel da população na cobrança aos seus governantes destas políticas públicas, assim como de sua participação no processo de gestão da água.

 

Próximo Fórum Mundial da Água

O Engº Lupercio Ziroldo Antionio, que é um dos quatro representantes brasileiros no Conselho Mundial da Água, tem também participado dos preparativos para o próximo Fórum Mundial da Água, que segundo ele, será sediado no Brasil no próximo ano (2018). Para  Ziroldo o 6º Fórum Mundial da Água, que acontecerá em março do próximo ano, será um marco no setor ao propor e discutir amplamente soluções para a água. “O fórum é o maior evento do tipo no planeta e é realizado a cada três anos”, segundo relato recentemente publicado na Folha da Região de Araçatuba.

 

*

*