67ª Reunião Anual da SBPC

67ª Reunião Anual da SBPC

67ª Reunião Anual da SBPC É Aberta em São Carlos com a Presença de Dois Ministros de Estado e Protestos

Com a presença dos Ministros Aldo Rebelo e Renato Janine Ribeiro, respectivamente dos Ministérios da Ciência e Tecnologia e da Educação, a 67ª Reunião Anual da SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, o maior evento científico da América Latina, foi aberta ontem, 12 de julho, às 18h, na cidade de São Carlos, em sessão solene de abertura realizada em um centro de convenções particular locado para este fim, uma vez que o centro de convenções da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), que sedia a primeira edição de reunião anual da SBPC que ocorre no interior, fora de alguma capital de estado brasileiro,  não ficou pronto devido, entre outros motivos, às dificuldades na implementação do acesso interno ao seu novo centro de convenções que tem que transpor uma área de cerrado.

É paradigmático de nossos (e novos) tempos que o ‘progresso da ciência’, de alguma forma, enfrente obstáculos advindos da defesa intransigente – às vezes, por alguns,  considerada mais que radical – de pequeno fragmento de mata nativa sobrevivente no interior da antiga Fazenda Trancham, que deu origem à UFSCar em 1970.

O curioso é que o Centro de Convenções Bazuah, onde ocorreu a brilhante abertura da 67ª Reunião da SBPC, segundo informações de presentes à solenidade, é de propriedade do atual Prefeito Municipal de São Carlos, Paulo Roberto Altomani (PSDB), locado para empresa que atua no setor de eventos. O Prefeito realmente tinha motivos de sobra para estar feliz e fez um longo pronunciamento relatando, com detalhes, um pouco da história de São Carlos e porque ela tornou-se a “Capital da Tecnologia”, com dois campi universitários públicos (USP e UFSCar), um campus privado (UNICEP), dois parques tecnológicos (Parque Tec e Parque Ecotecnológico Damha); duas unidades da Embrapa (Pecuária Sudeste e Instrumentação Agropecuária) e duas incubadoras de empresas de alta tecnologia (CEDIN e CITESC).  Agradeceu aos ministros da Educação e da Ciência e Tecnologia por verbas recebidas do Governo Federal e também pela federalização do Hospital Escola, que – depois de um processo longo e penoso processo de resistência do próprio prefeito – está passando para gestão da UFSCar, através da EBSERH – Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares, atualmente presidida por Newton Lima Neto, ex-reitor da UFSCar e por duas vezes prefeito, pelo PT, de São Carlos.

Presente à sessão solene o Coordenador Diocesano da Pastoral da Criança da Diocese de São Carlos, Mauro Evaristo da Silva, confirmou as palavras do prefeito e outras autoridades no evento, da cidade de São Carlos – e de certa forma a região central do Estado de São Paulo – como referência em educação e qualidade de vida. Paulistano, ele e sua família, após 15 anos de moradia no Japão, pesquisaram muito quando tomaram a decisão de voltar ao Brasil, especialmente em relação a garantir aos filhos uma boa educação; e, de todo o Brasil, a mais apontada, inclusive por grandes pesquisadores brasileiros que atuam no Japão, foi a cidade de São Carlos.

Atividade Cultural     

Duas atividades culturais destacaram na sessão de abertura: a interpretação, por uma professora do Depto. de Física da UFSCar, de uma composição erudita para piano intitulada “LUZ” (este ano foi declarado pela UNESCO como Ano da Luz, e 67ª Reunião da SBPC tem como tema “Luz, Ciência e Ação”) de autoria de um pesquisador da UNESP; e a própria execução do Hino Nacional, interpretado magnificamente pelo cantor, músico e compositor são-carlense André Lima (que também é engenheiro formado pela UFSCar), acompanhado por todos os participantes.

Homenagens

Historicamente em suas reuniões anuais a SBPC homenageia cientistas brasileiros cujas obras e vida tenham trazido relevante contribuição ao avanço da ciência no Brasil. A 67ª Reunião da SBPC homenageou dois médicos pesquisadores científicos, Leopoldo de Meiss, Luis Hildebrando Pereira da Silva, falecidos em 2014, cujos relatos de suas inspiradoras vidas e trabalhos realizados emocionaram os presentes, dada a relevância dos mesmos e a falta de divulgação de seus trabalhos e realizações pela grande mídia. Especialmente nesta 67ª Reunião, também foi homenageado o Prof. Mário Tolentino da cidade de São Carlos, autodidata que foi professor de ensino médio e emérito professor e gestor na UFSCar por mais de 30 anos, formando várias gerações de professores e pesquisadores. Obviamente não comentada nas homenagens, contrasta a biografia dos dois médicos pesquisadores homenageados, que tiveram sérios problemas profissionais com os governos militares devido aos seus posicionamentos político-ideológicos, com a biografia do saudoso Prof. Mário Tolentino, extremamente inteligente, culto, profundo conhecedor nas áreas de química, geografia, geologia, antropologia e, sobretudo, excelente orador e professor, mas profundamente conservador em suas posições políticas e próximo dos regimes militares que dominaram o Brasil entre 1964 e 1985. Esse fato realça sua relevância enquanto cientista e educador, pois, independentemente de suas convicções políticas, é celebrado por pessoas de todo espectro político-ideológico.

Esperamos que a SBPC exiba em seu sitio eletrônico os textos das homenagens prestadas a esses grandes homens e cientistas pois suas vidas e seus trabalhos precisam ser conhecidos e reconhecidos pelos brasileiros e pela humanidade.

Protestos

Destacando que em face ao passado nebuloso que durante mais de 20 anos, durante o regime militar, foram proibidos os protestos aos governantes da época, era uma honra para todos presentes, especialmente para os ministros de Estado, em um regime democrático, abrir espaço para manifestações; a presidente da SBPC, Helena Bonciani Nader, convidou representantes de algumas entidades presentes a usarem a palavra na abertura do evento e na presença de todas as autoridades públicas para manifestarem suas reinvindicações e protestos. A FASUBRA – Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores Técnicos-Administrativos em Instituições do Ensino Superior Públicas do Brasil, cuja categoria está em greve a cerca de 30 dias, entregaram carta ao Ministro de Educação onde especificam suas reivindicações salariais, mais democracia nos processos decisórios das universidades e criticaram duramente os cortes e contingenciamento de verbas para educação feitos pelo Governo Federal em função dos ajustes (desajustados para muitos) para equilíbrio orçamentário fiscal nacional. Também se pronunciou a representante da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) apontando os desafios para a inovação em pesquisa no Brasil: não surtiram ainda os efeitos esperados pela implementação da Lei de Inovação e outras leis para estímulo da inovação tecnológica; é necessário retomar o crescimento econômico; é preciso garantir que recursos da exploração do petróleo do Pré-Sal sejam destinado à área de ciência e tecnologia.

A Fala dos Ministros

Em seus pronunciamentos os dois ministros, Aldo Rebelo, da Ciência e Tecnologia e Renato Janine Ribeiro, da Educação, deixaram transparecer que ‘ajuste’ não é programa de governo; ”ajuste é passageiro” segundo Aldo Rebelo. Para o Ministro da Educação “um ano de crise econômica e necessidade de ajuste, não podem desqualificar doze anos de programa de grande desenvolvimento e qualificação da educação brasileira ”. Ressaltaram que mesmo com os ajustes os programas prioritários estão sendo garantidos e alguns investimentos importantes foram manidos como o Laboratório Sirius em Campinas.

A Fala Final da Presidente da SBPC

Em seu pronunciamento no final da sessão de abertura da 67ª Reunião Anual da SPBC, além dos obrigatórios agradecimentos e o reconhecimento dos esforços do Governo Federal na proposição e implementação de políticas que estimulem a educação científica e tecnológica,  sua presidente Helena B. Nader, que foi reeleita pelos seus pares para presidir a entidade por mais dois anos, lembrou que se a crise econômica requer ajuste, este não deve comprometer a educação, pois a precariedade histórica da educação brasileira – persistente ainda que tenhamos avançado muito na última década – certamente é um dos principais fatores que comprometem o crescimento da economia brasileira. Muito mais ainda – a má qualidade de nosso ensino – compromete de forma nefasta nosso desenvolvimento sociocultural. Ainda que não seja fator suficiente, o adequado financiamento da educação e da pesquisa em ciência e tecnologia, é fator fundamental para o necessário progresso da ciência no Brasil.

Confiram a extensa e riquíssima programação cientifica e cultural da 67ª Reunião Anual da SBPC, de 13 a 18 de julho no campus da UFSCar, no sitio: http://www.sbpcnet.org.br/saocarlos/arquivos/programacao.pdf

Vale a pena conferir e participar!!!

*

*